Arquivo de 'cultura' Categoria

ago 28 2013

Xintoismo: mitologia e sua influência na formação da cultura e do caráter do povo japonês

A concepção do xintoísmo para o japonês era de si tão natural, genérica e vasta, que até a chegada do budismo no século VI, não tinha nome especificado. Quando se acharam diante de uma religião estrangeira, denominaram a nativa de Kannagara no michi [1] ou Xintô, que significa caminho dos deuses. É difícil saber exatamente o que era o xintoísmo antes da chegada do budismo. Não era apenas a única religião; era o único modo como os antigos japoneses se relacionavam com o mundo, pois acreditavam profundamente que os deuses, os homens e a Natureza são nascidos dos mesmos ancestrais: não havia separação conceitual entre a Natureza e o homem. “Não havia denominação para a Natureza, como algo apartado e distinto do homem, algo que pudesse ser contemplado pelo homem” (Sakamaki Shunzo in MOORE, 1975, p. 24). Ou seja, não havia distinção entre sujeito e objeto, observador e observado. O homem era apenas parte de um todo, “intimamente associado e identificado com os elementos e as forças do mundo em seu redor” (idem). Fato que se nota pela importância das principais divindades, entre as milhares, associadas aos principais fenômenos da natureza: o nascimento, o crescimento, as transformações e a morte (ibidem, p. 25). Essa estreita proximidade com a Natureza e elementos de seu entorno constitui-se na principal característica do Xintô (HERBERT, 1964, p. 17).

Supõe-se que o modo como viam o mundo[2] “era uma forte concepção intuitiva de uma profunda unidade subjacente, biológica e física ao mesmo tempo, entre todos os homens (mortos, vivos e não-nascidos), a Natureza e todas as entidades invisíveis ao homem, porém dignas de veneração” (HERBERT, 1977, p. 10). É, no dizer do professor Ono, “para os que veneram o kami, xintô é o nome coletivo de todas as crenças que compreendem a ideia do kami” (ONO, 1990, p. 3).

Relacionando as três mais antigas correntes de pensamento que estão na gênese do pensamento japonês, teria dito o príncipe Shotoku , que difundiu o budismo no Japão: “O Xintoísmo é a raiz e o tronco de uma grande árvore robusta e transbordante em inesgotável energia; o Confucionismo são os galhos e as folhas e o Budismo são as flores e frutos” (HERBERT, 1977, p. 11).

Por dois ou mais milênios, junto com o budismo e o confucionismo, essa religião autóctone moldou o caráter desse povo.

Texto completo: xintoísmo

__________

[1] Pelo sistema Hepburn de transliteração para o alfabeto romano, adotado pelo Japão, pronuncia-se miti.

[2] Herbert o denomina Weltanschauung: Sf, -en 1 visão do mundo, cosmovisão, mundividência. 2 ideologia.


Use as estrelas abaixo para dar uma nota a este artigo:
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (Este artigo ainda não foi avaliado)


Imprima uma versão mais simples deste artigo.
Gostou? Recomende este artigo por email. Gostou? Recomende este artigo por email.

Por enquanto, nenhum comentário. Comente.

jet horizontal

jan 21 2013

Idades especiais na cultura japonesa

Na cultura japonesa, existem idades especiais, algumas comemorativas, outras de azar.

Para os japoneses a forma de contagem kazoe-toshi (数え年) leva em consideração também o tempo de gestação, o que acresce um ano à idade cronológica.

Menino com 31 dias / Menina com 32 dias

É a primeira vez que a criança é levada ao santuário, sendo a primeira cerimônia pública de que participa, cujo nome é Omiyamairi (宮参り). É realizada com o objetivo de apresentar a criança ao ujigami (氏神 神社) – Deus da comunidade – e de orar pelo crescimento saudável e felicidade da criança. De acordo com algumas correntes do xintoísmo, o ser humano só passa a existir como ser sagrado, após essa apresentação.

Shichi-go-san | 七五三: 7-5-3, respectivamente

Celebram-se  os 3 e 5 anos dos meninos e os 3 e 7 anos das meninas. No dia 15 de novembro, as crianças vestem seus kimonos e, junto às famílias, vão aos santuários para orar por saúde, crescimento e felicidade das crianças. 

Confira mais informações no artigo “Shichi-go-san”.

Seijin no hi | 成人の日: Dia da maioridade

Os jovens que completaram ou vão completar 20 anos (二十歳 | hatachi)  no mês de Abril do ano anterior ou do ano corrente, comemoram o Dia da maioridade, celebrado na segunda segunda-feira do mês de Janeiro. As festividades incluem comemoração entre amigos e familiares e cerimônias da maioridade (成人式 | Seijin-shiki) que são realizadas nas prefeituras, com discursos de autoridades e pequenos presentes aos participantes. Nesta data, comemora-se a ampliação dos direitos e das responsabilidades dos jovens.

Toshi Iwai | 年祝い: Celebrações da longevidade

A partir do Kanreki (還暦), quando o homem de 60 anos comemora o início da velhice e a segunda infância, existem inúmeras celebrações referentes à longevidade, conhecidas como Toshi Iwai (年祝い). Estas envolvem visitas a santuários e festas de aniversários.

Confira mais sobre o assunto no artigo “O que os japoneses escrevem nos envelopes em cerimônias II”.

Yakudoshi | 厄年: Idades que dão azar

No Yakudoshi, os aniversariantes vão aos santuários para afastar o infortúnio e o azar

Yakudoshi (厄年) significa “anos críticos”, ou anos de calamidade. São determinadas idades em que as pessoas estão mais suscetíveis a desgraças, infortúnios e doenças. Os anos anteriores e posteriores (前厄 | maeyaku e 後厄 | atoyaku, respectivamente) a essas datas também são críticos, devendo-se tomar cuidado.

As idades de infortúnio para as mulheres são: 19, 33 e 37 anos, sendo o trigésimo terceiro aniversário o mais crítico, razão que se deve talvez pela forma como foneticamente soa a palavra. “33” pode ser pronunciado como “sanzan”, que significa duro, terrível ou desastroso.

Para os homens, as idades de 25, 42 e 61 anos simbolizam os anos de azar. O quadragésimo segundo aniversário é o considerado mais crítico, pela forma como a palavra é pronunciada. “42” pode ser pronunciado como “shi-ni”, que significa morte.

Com o objetivo de afastar o sofrimento e o azar, as pessoas vão aos santuários para cerimônias realizadas para este fim. Uma forma de afastar o azar é a realização de uma festa por amigos e familiares para o aniversariante, apoiando-o no ano de dificuldades e, no ano seguinte, o aniversariante realizar a festa aos mesmos, retribuindo e agradecendo o apoio concedido nesse ano.

Referências

CELEBRAÇÕES da longevidades: toshi iwai. In: Cultura japonesa. [S.l.]: Cultura japonesa, [s.d.]. Disponível em: <http://www.culturajaponesa.com.br/htm/kanreki.html>. Acesso em: 20 jan. 2013.

COMING of age day. In: Wikipedia. [S.l.]: Wikipedia, [s.d.]. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/Coming_of_Age_Day>. Acesso em: 20 jan. 2013.

IWASHITA, Noriko. Kankon sousai no shikitari manaa jiten. 3.ed. Tokyo: Natsume, 2010.

JAPÃO em foco. Yakudoshi: as idades consideradas de azar no Japão. [S.l.]: Japão em foco, 2011. Disponível em: <http://www.japaoemfoco.com/yakudoshi-as-idades-consideradas-de-azar-no-japao/>. Acesso em: 20 jan. 2013.


Use as estrelas abaixo para dar uma nota a este artigo:
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (Este artigo ainda não foi avaliado)


Imprima uma versão mais simples deste artigo.
Gostou? Recomende este artigo por email. Gostou? Recomende este artigo por email.

Por enquanto, nenhum comentário. Comente.

jet horizontal

Pages: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 ... 45 46 47 Next

Pages: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 ... 45 46 47 Next