A alma do povo japonês | Budismo

A alma do povo japonês | Budismo

150 150 Iochihiko Kaneoya

imagem: http://www.budismo-valencia.com

Foi fundado no séc VI a. C. por Sidarta Gautama, príncipe indiano. Após peregrinação e exercícios de ascetismo e meditação, chega ao estado de Buda, que significa o Iluminado, e passa a pregar sua doutrina que consiste em 4 pontos, as chamadas, quatro nobres verdades:







  1. São inevitáveis: a morte, a doença e a velhice;
  2. Todo sofrimento tem causa no desejo e na ignorância;
  3. A extinção do sofrimento se faz pela extinção do desejo e pelo conhecimento;
  4. A sabedoria se atinge seguindo a senda óctupla composta de três treinamentos superiores:
  • I – Sabedoria:
    – visão correta
    – pensamento correto
    – sentimento correto
  • II – Ética:
    – fala correta
    – ação correta
  • III – Meditação:
    – esforço correto
    – atenção correta
    – meditação correta

Como no xintoísmo, o budismo é religião não convencional para os padrões ocidentais: não há deus, não há promessa de recompensa ou castigo, não há mandamento, não há dogma, não há anjos nem demônios, não existe o bem nem o mal, não há livros sagrados.

Diferencia-se do xintoísmo por não ser panteísta, pela existência de uma doutrina e ao propor um caminho para a iluminação.

Como Heráclito de Éfeso (filósofo grego do séc VI a. C.), Buda afirmava ser impossível atravessarmos o mesmo rio duas vezes: quando voltarmos, as águas serão outras, nós seremos outro porque estamos em constante transformação. Somos um ao nascer e outro ao morrer, pois tudo se transforma eternamente. A impermanência é eterna, não a vida.

O budismo legou ao caráter do povo japonês a forte idéia da impermanência da vida, da salvação pela sabedoria, da inevitabilidade da morte, da velhice e da perecibilidade do corpo.

Iochihiko Kaneoya

Formado em Direito e mestrando em cultura japonesa pela Universidade de São Paulo - USP. Pesquisador da cultura japonesa.

All stories by : Iochihiko Kaneoya
1 comentário
  • Ribamar Lopes 7/05/08 at 14:40

    Esse texto, é de uma qualidade extraórdinária, fiel ao contido no histórico do ensinamento budista.

    Aliás, não tem sido diferente nos demais textos desta excelente sítio.

Leave a Reply