Shichi-go-san | 七五三

Shichi-go-san | 七五三

150 150 Paula Hidemi Kaneoya

 







O Shichi-go-san (七五三) é comemorado no dia 15 de Novembro. Nesta data, meninas de 3 e 7 anos e meninos de 3 e 5 anos, vestidos em kimonos especiais, vão aos santuários com suas famílias para pedir por saúde, crescimento e felicidade. No passado, a importância desse festival estava relacionado ao alto índice de mortalidade infantil. A cada etapa significativa atingida era motivo de celebração. A mortalidade infantil já não assusta o Japão como antigamente, mas permaneceu a tradição da festividade.

Shichi-go-san significa, literalmente, sete, cinco e três, números que indicam boa sorte e idades consideradas marcantes na vida de uma criança. Na época dos samurais, crianças até três anos deviam ter o cabelo raspado. De acordo com a tradição do Shichi-go-san, meninos e meninas de três anos, pela primeira vez, são permitidos a deixarem o cabelo crescer, porque estão deixando o estado de bebê. As meninas dessa idade vestem um san-sai-furisode (kimono para menina de três anos), amarrado por uma faixa de seda,  e por cima, um colete chamado hifu. Os temas dos kimonos, assim como as das meninas de sete anos, remetem à infância e às flores.

Aos cinco anos, o menino veste seu hakama (vestimenta masculina tradicional) e o usa em público pela primeira vez. Faz conjunto com o hakama, o haori – jaqueta de seda -, completando o vestuário típico samurai. O haori é estampado com temáticas que se referem aos samurais, sendo, por vezes,  representações de célebres guerreiros. Era quando o menino filho de samurais era apresentado ao senhor do seu feudo.

Aos sete anos, a menina celebra vestindo o seu primeiro obi (faixa de tecido), sustentando o nana-sai-furisode (kimono para meninas de sete anos), cujo tema remete à infância. Acessórios que acompanham kimonos de luxo também são usados nessa ocasião.

O festival teve início no período Heian (794~1185), quando a nobreza celebrava o crescimento de seus filhos em um dia de sorte de Novembro. Durante o período Kamakura (1185~1333), ficou estabelecido que o festival aconteceria no dia 15 do mês em questão. No período Edo (1603~1868) essa prática se tornou comum à população em geral,  que visitava os templos para receber as preces oferecidas pelos monges, tradição que continuou a ser seguida pelos japoneses.

Chitose ame (千歳飴)

Na ida ao templo, as crianças recebem amuletos e uma sacolinha com o doce tradicional Chitose ame (bala dos mil anos). Com o formato de um tubo de cores branca e vermelha, diz-se que esse doce confere mil anos de felicidades para as crianças que o recebem.

A sacolinha possui um desenho da tartaruga e do tsuru, símbolos da longevidade no Japão. Esse significado surgiu a partir do ditado “tsuru wa sen nen, kame wa man nen” (o tsuru vive mil anos e a tartaruga, dez mil anos). Os outros elementos representados significam: o pinho simboliza prosperidade, pois nunca altera sua cor verde; o bambu significa modéstia, inocência e cresce sempre reto, voltado para o céu; a flor do pessegueiro está relacionada à felicidade e prosperidade; o casal de velhinhos representa a longevidade;  e o mar, a purificação.

Referências

JAPAN National Tourism Organization. Holidays, occasions and events. [S.l.]: JNTO, [s.d.]. Disponível em: <http://www.jnto.go.jp/eng/indepth/cultural/experience/ab.html>. Acesso em 19 nov. 2012.

SHICHI-Go-San: festival sete-cinco-três. In: Cultura Japonesa. [S.l.]: Cultura Japonesa, [s.d.]. Disponível em: <http://www.culturajaponesa.com.br/htm/753.html>. Acesso em: 18 nov. 2012.

SHICHI-Go-San. In: Go Japan Go. [S.l.]: Go Japan Go, [s.d.]. Disponível em: <http://www.gojapango.com/culture/shichi-go-san.html>. Acesso em: 18 nov. 2012.

SHICHI-Go-San. In: Wikipedia. [S.l.]: Wikipedia, [s.d.]. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/Shichi-Go-San>. Acesso em: 18 nov. 2012.

Paula Hidemi Kaneoya

Bibliotecária formada pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC. Ministra oficinas de origami.

All stories by : Paula Hidemi Kaneoya
2 Comentários
  • gilda Mizuno 11/04/14 at 18:50

    gostaria de saber se existe em São Paulo, capital, ABCD, alto tietê, algum lugar que realiza a cerimônia. Obrigada.

Leave a Reply