nov 14 2012

Concerto Japão 4 Estações

Duo de canto e violão com Masami Ganev e Igor Ishikawa 

Com o Concerto Japão 4 Estações a soprano Masami Ganev, japonesa de nascimento e radicada no Brasil há 15 anos e o violonista Igor Ishikawa se apresentaram no Auditório Jurerê Classic, na cidade de Florianópolis no último dia 10 de novembro. Com arranjos e adaptações de Igor, Masami cantou canções desde o Japão tradicional, aos sucessos mais recentes, começando pela primavera, passando pelo verão, outono, inverno e fechando o ciclo, encerrando novamente com canções da primavera.

No Japão as estações são bem definidas, o que molda também os costumes, a indumentária, a culinária e as artes. Na poesia, as estações do ano são o único tema do haikai, chamada kigô. Entre as músicas de uma estação e outra, foram lidos haikais de poetas brasileiros com temas brasileiros.

Merecem destaque, além da apresentação de ambos, o solo de violão de Igor e a declamação de Masami na música “Akai kutsu” (sapatinhos vermelhos). Num dos solos, o violonista contou a história da música “Ookina furudokei” (antigo relógio grande): fora comprado como homenagem ao nascimento de um menino e funcionou até quando o ex-menino morreu aos 90 anos. E o relógio parou de funcionar. No solo, o músico fez a corda do violão, aos poucos, morrer com o dono do relógio. Podia-se ouvir o sereno e longo suspiro da despedida. Na música “Akatonbo” (libélulas vermelhas), Masami recordou sua infância no Japão, quando brincava com as libélulas que vinham pousar nos arrozais cacheados de dourado.

O texto que apresentou o Concerto:

No Japão, como mensageiros da impermanência e da renovação, as estações do ano vêm e vão com sua roupagem própria, nítidas e distintas no seu vôo contínuo e incessante, inspirando os costumes, a culinária, as artes, a poesia e a música. Na poesia, as quatro estações são o tema do haikai.

Os animais, as plantas e os homens se adaptam às condições de cada estação para sobreviver, crescer e se perpetuar.

As folhas da árvore caem no outono e outras novas surgem na primavera. A cada primavera a árvore se renova e os galhos ganham brotos que se transformam em novos galhos. Isso faz a árvore crescer sempre um pouco mais ao término de cada ciclo, e suas raízes ficarem mais profundas. É no recolhimento do inverno que a árvore acumula a força necessária para o crescimento a cada renovação. Todo tempo de espera é tempo de crescimento e aprendizagem.

A vida é um fluxo contínuo constituída de tempos que se renovam, assim como as estações do ano. Tudo é mutável, nada é permanente.

Sempre a primavera, nunca as mesmas flores – resume com perfeição a mutação e a renovação, o ciclo do eterno retorno. Quando respeitamos os ciclos, a vida flui mansa e plenamente, se renova e permitimos nossa própria evolução.

Primavera

Ah! estas flores de ouro,

que caem do ipê, são brinquedos

pr’as criancinhas pobres…

O ipê-amarelo – arvore-símbolo do Brasil -, que recobre de efêmero ouro seus galhos sem folhas anunciando a chegada da primavera, traça um bonito paralelo com a cerejeira, a árvore-símbolo do Japão, cuja florada branca e rosa, é igualmente efêmera e recobre os galhos sem folhas no início da estação.

É o início de um novo ciclo quando a vida retoma suas atividades após o recolhimento do inverno. Surgem os primeiros ventos aquecidos pelo sol mais abundante; a neve e o gelo começam a derreter, os rios voltam a correr. Nascem os primeiros brotos das árvores e os campos ganham uma cor verde de tom claro e fresco. Tudo volta a pulsar. O silêncio do inverno é quebrado pelo canto dos pássaros e das cigarras. É a época das flores, do passeio das abelhas, de colher o mel, e do acasalamento dos animais. É o momento de semear os campos.

Verão

Calor. Nos tapetes

tranquilos da noite, os grilos

fincam alfinetes.

 É nessa fase que o hemisfério norte recebe a iluminação máxima do sol. É o momento do auge, da plenitude, de noites curtas e dias longos. As plantas e a terra transpiram mais, o céu fica mais carregado de nuvens, os tons da primavera se intensificam num verde mais escuro. Chove torrencialmente, o calor é intenso, a vida entra em ebulição. Os filhotes recém-nascidos crescem mais fortes com a abundância de alimentos. É o momento de aproveitar a generosidade da Natureza, a liberdade e o conforto dos dias longos e ensolarados.

 Outono

 Uma folha morta.

Um galho no céu grisalho.

Fecho a minha porta. 

Depois do calor e da claridade do verão, chega o declínio, o preparo para o adormecer do inverno. Com a queda da temperatura, os animais começam a se preparar para a época do retiro. A Natureza agora produz os últimos frutos que os animais e os homens precisam ingerir e estocar para atravessar o frio que se aproxima. As árvores viçosas do verão começam a poupar energia e mudam de cor, passando para o amarelo, laranja, vermelho e ocre, antes de deixarem cair ao chão suas folhas, estendendo-se como tapete para receber o inverno. É a época da nostalgia, da melancolia, da senectude.

Inverno

Ah! o chimarrão quente!

O frio forte dos pampas

foge um pouco assim!… 

Nessa época o sol já não aquece nem ilumina o hemisfério norte como em outras estações. Agora as noites são bem longas e os dias curtos. A vida se paralisa, apaga o verde-vida das paisagens, emudece os pássaros e os insetos. O manto branco que congela rios e lagos reveste também os galhos nus das árvores. As cores do outono desaparecem, esmaecidas pelo branco infindo da neve. No frio silente, só o uivo do vento.

Os animais se abrigam em suas tocas, e as pessoas se abrigam em suas casas à beira da lareira. É a estação do recolhimento, da introspecção, da reflexão, do retiro para o eu interior, como os animais que se recolhem para a longa hibernação. E no benfazejo recolhimento da reflexão e aprendizagem, move-nos a serena alegria da espera das primeiras brisas da primavera, quando um novo ciclo se inicia.

Referência bibliográfica:

OTSU, Roberto. A sabedoria da natureza. São Paulo: Ágora, 2006.


Use as estrelas abaixo para dar uma nota a este artigo:
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (Este artigo ainda não foi avaliado)


Imprima uma versão mais simples deste artigo.
Gostou? Recomende este artigo por email. Gostou? Recomende este artigo por email.

Por enquanto, nenhum comentário. Comente.


jet horizontal

nov 05 2012

Etimologia do kanji | As 4 estações: haru, natsu, aki, fuyu

Haru – primavera –

 É a estação do ano quando a maior abundância do sol permite a renovação das plantas, com as flores dando frutos e semente, e plantas crescendo com galhos novos. O pictograma representa a semente recém-germinada, acima à direita, envolvida pelo mato, tudo crescendo na presença do sol, acima à esquerda. É a estação da renovação, do crescimento, dos frutos. 

Natsu – verão –  

Há várias versões para a origem desse pictograma. Uma delas representa o corpo nu que deseja se refrescar, vendo-se apenas as partes: os braços, pernas e rosto. Outra versão representa o homem dançando durante os festivais que costumam ocorrer no verão: os pés estão em movimento, dançando (a parte inferior) e o rosto coberto por máscara; e uma terceira versão diz que a parte superior é o rosto coberto por máscara e logo abaixo, a roupa, significando que é nessa estação que as plantas se cobrem e se vestem. 

Aki – outono –  

Pictograma que se forma com o radical arroz, do lado esquerdo, e fogo. Os antigos agricultores promoviam uma festa em comemoração ao término da colheita do arroz – origem da cerimônia Niinamesai. (O imperador oferece e depois partilha com os deuses o arroz da primeira colheita. Ocorre no palácio imperial no dia 23 de novembro). Após o armazenamento dos grãos, queimava-se a palha. É quando se ouve por todo o campo o canto dos grilos. No kanji antigo, acima à esquerda, havia ainda um grilo e à sua esquerda, o fogo, representado pelos quatro pontos. Com a gradativa simplificação ficou apenas o “arroz” e o “fogo”, forma do kanji atual.

Fuyu – inverno –  

Pictograma bastante simples. A parte superior é água que deixa de correr, representada por traço horizontal. A parte inferior, é água já congelada.

Referências:

TSUJI, Yoshiaki (Kei-un). Kanji no naritachi jiten. Tokyo: Kiyoiku shuppan, 2011

PAPINOT, E. Historical and geographical dictionary of Japan. Tokyo: Charles e Tuttle, 1984

WILLIANS, Noriko Kurosawa. The key to kanji. [S.l.]:  Cheng & Tsui, 2010


Use as estrelas abaixo para dar uma nota a este artigo:
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (Este artigo ainda não foi avaliado)


Imprima uma versão mais simples deste artigo.
Gostou? Recomende este artigo por email. Gostou? Recomende este artigo por email.

1 comentário


jet horizontal

Pages: Prev 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 ... 118 119 120 Next

Pages: Prev 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 ... 118 119 120 Next