abr 23 2012

Provérbios e expressões

Sushi ( 寿司)

A palavra deriva de su (vinagre); sushi provém de uma antiga palavra que indica acidez, sui, analogamente ao que ocorre com karashi (mostarda) que deriva de karai (ardido, picante). Uma variedade do sushi, o tekkamaki (sushi envolto com alga marinha) teve origem em cassinos entre jogadores da Yakuza, a máfia japonesa, ainda no período Edo (1600-1868). O local de jogo chamava-se tekkaba e maki vem do verbo maku (enrolar, envolver). Os jogadores, para não interromperem o jogo pediam alimentação prática, que pudessem comer sem deixar o local. Nascia assim o tekkamaki – comido diretamente com as mãos – alimentação a princípio de jogadores da Yakuza durante jogatina, que acabou se popularizando como uma variedade do sushi. O sanduíche teve origem semelhante: alimentação prática entre jogadores ingleses, entre os quais estava um nobre, de nome Lord Sandwich.

Yaochou (八百長)

Recentemente a National Geographic exibiu documentário sobre a máfia do sumô no Japão. Os negócios escusos envolviam venda de  vitória para ascensão no ranking, chamada de yaochou. O nome é uma fusão de yaoya (horti-fruteiro -八百屋   ) e Chobei, comerciante deste ramo de negócios nos começos da Era Meiji. Chobei vendia também refeições e entradas para competições de sumô, com cuja associação procurava manter boas relações. E nesse intuito, o comerciante jogava go (碁 – espécie de  jogo de damas) com membros dessa associação. Para agradá-los e manter seus negócios, estrategicamente perdia o jogo. A derrota proposital ficou conhecida então no meio sumoísta como yaochou, e estendeu seu significado para outras competições. O nome yaoya, no princípio significava loja de variedades (literalmente loja de 800 artigos – número tirado da mitologia japonesa – significando loja de muitas coisas). No decorrer do tempo, a atividade ficou no ramo de frutas e verduras.

Referência

OTSUKI, Hiroshi; GRINDSTAFF, Bradley. Cultural keys: the history of japanese words and phrases. Tokyo: The Hokuseido Press, 1995.


Use as estrelas abaixo para dar uma nota a este artigo:
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (Este artigo ainda não foi avaliado)


Imprima uma versão mais simples deste artigo.
Gostou? Recomende este artigo por email. Gostou? Recomende este artigo por email.

Por enquanto, nenhum comentário. Comente.

jet horizontal

ago 25 2008

Os 47 ronins

http://en.wikipedia.org/wiki/Forty-seven_Ronin

No começo do século XVIII, o Japão era governado por Tokugawa Tsunayoshi [徳川 綱吉] (1646 – 1709), um entusiasta da arte. Incentivava as letras e a ciência através da fundação de escolas e da proteção aos artistas.

O shogun chamou o daimyô de Ako (atual região de Hyogo), Asano Takuminokami Naganori [浅野長矩] (1667 – 1701), para exercer uma função similar ao dos taikomochis: entreter os convidados imperiais em Edo. Como Asano, até então, tivera pouco contato com as cerimônias da corte, Kira Kozukenosuke Yoshinaka [吉良義央] (1641 – 1702), um alto funcionário de Tsunayoshi e especialista em cerimômias, foi escalado para treinar o recém-chegado daimyô.

Mas Kira era um homem corrupto e, indignado, queria que Asano o recompensasse financeiramente pelo incômodo. Iniciou-se então uma turbulenta relação. Kira insultava o seu aluno com freqüência, não perdia uma oportunidade sequer de humilhá-lo, até que no final de março de 1701, irritado pelas atitudes de Kira, Asano desembainhou sua espada e avançou sobre seu professor ferindo-o levemente na face.

Qualquer ato violento nas dependências do castelo de Edo era considerado uma ofensa ao shogun e, portanto, Asano foi ordenado a cometer o seppuku. Antes de morrer, o daimyô escreveu:

風さそう 花よりもなお 我もまた 春の名残を いかにとかせん
Kaze sasou Hanayorimonao Waremomata Harunonagoriwo Ikanitokasen
As flores que caem não querem partir, mais frustrado do que as flores, o que devo fazer?

O clã de Ako foi confiscado e os 300 samurais de Ako tornaram-se ronins, samurais sem daimyô e conseqüentemente sem sustento. O clã se dispersou, mas foi formado um pequeno grupo de 47 pessoas que planejaram vingar a morte de seu daimyô. Entre estes, destacou-se um fiel guerreiro chamado Oishi Kuranosuke Yoshitaka [大石良雄], também conselheiro de Asano.

Sabendo que Kira aumentaria a sua segurança, Oishi ordenou que todos os 47 samurais dessem continuidade às suas vidas de modo a não despertar suspeitas, que vivessem como se tivessem abandonado o código de conduta dos samurais. Alguns viraram carpinteiros, alguns pescadores e outros mendigos. Oishi passou a viver em prostíbulos e renegou sua família.

Certo dia, um samurai de Satsuma (hoje Kagoshima) reconheceu Oishi jogado na rua completamente alcoolizado. Enfurecido pela covardia do bêbado, o transeunte chutou-o no rosto e cuspiu nele com desprezo.

Os espiões contratados por Kira relataram a vida desregrada dos possíveis vingadores e a segurança foi afrouxada. Até que na madrugada de 14 de dezembro de 1702, quase 1 ano e meio após a morte de Asano, sob forte neve, os 47 samurais atacaram a mansão de Kira em Edo.

Divididos em dois grupos, um liderado por Oishi e outro por Chikara (filho mais velho de Oishi), pegaram os guardas desprevenidos e logo dominaram a situação. Mas Kira tinha fugido. Rapidamente Oishi organizou uma busca e descobriram uma passagem secreta que levava a um pátio onde estava Kira, algumas mulheres e dois guardas. Os ronins mataram os guardas e o líder, em respeito ao alto posto de Kira, ajoelhou-se na frente do covarde e lhe explicou porquê aqueles 47 samurais estavam ali e convidou-o a morrer com dignidade cometendo o seppuku. Aterrorizado, Kira não disse uma palavra sequer e Oishi ordenou a decapitação.

Antes de se entregarem às autoridades, os 47 ronins levaram a cabeça de Kira até o túmulo de Asano. Na ocasião Oishi escreveu:

あら楽し 思いは晴るる 身は捨つる 浮き世の月に かかる雲なし
Aratanoshi Omoi-ha-sururu Mi-ha-sutsuru Ukiyo-no-tsuki-ni Kakaru-kumonashi
Estou feliz. Realizei o meu desejo e agora é a hora de morrer. Não existem nuvens na lua da minha vida.

Conforme o esperado, todos os 47 foram condenados à morte por terem assassinado um funcionário do governo. Mas em vez de serem executados, em respeito à lealdade dos samurais, em 4 de fevereiro de 1703, foi-lhes dado o direito de cometerem o seppuku. Todos eles foram enterrados ao lado de seu daimyô no templo de Sengakuji.

Diz a lenda, que o samurai de Satsuma que chutou Oishi, sabendo da verdadeira história, foi até Sengakuji pedir perdão e cometeu o seppuku. Ele também foi enterrado ao lado dos ronins.

Fontes:
http://www.samurai-archives.com/ronin.html
http://blog.360.yahoo.com/blog-8KBrr7Q6NasHqeIWJ4aCiQ–?cq=1&p=334
http://japan.chez-alice.fr/Culture/Japan/47Ronin.htm
http://en.wikipedia.org/wiki/Forty-seven_Ronin
Revista Grandes Guerras


Use as estrelas abaixo para dar uma nota a este artigo:
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas


Imprima uma versão mais simples deste artigo.
Gostou? Recomende este artigo por email. Gostou? Recomende este artigo por email.

7 comentários

jet horizontal

Pages: 1 2 Next

Pages: 1 2 Next