nov 19 2012

Shichi-go-san | 七五三

 

O Shichi-go-san (七五三) é comemorado no dia 15 de Novembro. Nesta data, meninas de 3 e 7 anos e meninos de 3 e 5 anos, vestidos em kimonos especiais, vão aos santuários com suas famílias para pedir por saúde, crescimento e felicidade. No passado, a importância desse festival estava relacionado ao alto índice de mortalidade infantil. A cada etapa significativa atingida era motivo de celebração. A mortalidade infantil já não assusta o Japão como antigamente, mas permaneceu a tradição da festividade.

Shichi-go-san significa, literalmente, sete, cinco e três, números que indicam boa sorte e idades consideradas marcantes na vida de uma criança. Na época dos samurais, crianças até três anos deviam ter o cabelo raspado. De acordo com a tradição do Shichi-go-san, meninos e meninas de três anos, pela primeira vez, são permitidos a deixarem o cabelo crescer, porque estão deixando o estado de bebê. As meninas dessa idade vestem um san-sai-furisode (kimono para menina de três anos), amarrado por uma faixa de seda,  e por cima, um colete chamado hifu. Os temas dos kimonos, assim como as das meninas de sete anos, remetem à infância e às flores.

Aos cinco anos, o menino veste seu hakama (vestimenta masculina tradicional) e o usa em público pela primeira vez. Faz conjunto com o hakama, o haori – jaqueta de seda -, completando o vestuário típico samurai. O haori é estampado com temáticas que se referem aos samurais, sendo, por vezes,  representações de célebres guerreiros. Era quando o menino filho de samurais era apresentado ao senhor do seu feudo.

Aos sete anos, a menina celebra vestindo o seu primeiro obi (faixa de tecido), sustentando o nana-sai-furisode (kimono para meninas de sete anos), cujo tema remete à infância. Acessórios que acompanham kimonos de luxo também são usados nessa ocasião.

O festival teve início no período Heian (794~1185), quando a nobreza celebrava o crescimento de seus filhos em um dia de sorte de Novembro. Durante o período Kamakura (1185~1333), ficou estabelecido que o festival aconteceria no dia 15 do mês em questão. No período Edo (1603~1868) essa prática se tornou comum à população em geral,  que visitava os templos para receber as preces oferecidas pelos monges, tradição que continuou a ser seguida pelos japoneses.

Chitose ame (千歳飴)

Na ida ao templo, as crianças recebem amuletos e uma sacolinha com o doce tradicional Chitose ame (bala dos mil anos). Com o formato de um tubo de cores branca e vermelha, diz-se que esse doce confere mil anos de felicidades para as crianças que o recebem.

A sacolinha possui um desenho da tartaruga e do tsuru, símbolos da longevidade no Japão. Esse significado surgiu a partir do ditado “tsuru wa sen nen, kame wa man nen” (o tsuru vive mil anos e a tartaruga, dez mil anos). Os outros elementos representados significam: o pinho simboliza prosperidade, pois nunca altera sua cor verde; o bambu significa modéstia, inocência e cresce sempre reto, voltado para o céu; a flor do pessegueiro está relacionada à felicidade e prosperidade; o casal de velhinhos representa a longevidade;  e o mar, a purificação.

Referências

JAPAN National Tourism Organization. Holidays, occasions and events. [S.l.]: JNTO, [s.d.]. Disponível em: <http://www.jnto.go.jp/eng/indepth/cultural/experience/ab.html>. Acesso em 19 nov. 2012.

SHICHI-Go-San: festival sete-cinco-três. In: Cultura Japonesa. [S.l.]: Cultura Japonesa, [s.d.]. Disponível em: <http://www.culturajaponesa.com.br/htm/753.html>. Acesso em: 18 nov. 2012.

SHICHI-Go-San. In: Go Japan Go. [S.l.]: Go Japan Go, [s.d.]. Disponível em: <http://www.gojapango.com/culture/shichi-go-san.html>. Acesso em: 18 nov. 2012.

SHICHI-Go-San. In: Wikipedia. [S.l.]: Wikipedia, [s.d.]. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/Shichi-Go-San>. Acesso em: 18 nov. 2012.


Use as estrelas abaixo para dar uma nota a este artigo:
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (Este artigo ainda não foi avaliado)


Imprima uma versão mais simples deste artigo.
Gostou? Recomende este artigo por email. Gostou? Recomende este artigo por email.

1 comentário

jet horizontal

jun 26 2008

Tanabata Matsuri [七夕祭り] | Festival das Estrelas

http://a-eda.net/blognippon/image/%E4%B8%83%E5%A4%95.jpg

Tanabata Matsuri [七夕祭り] é um festival japonês comemorado anualmente no 7º dia do 7º mês do ano. Originado há 2 mil anos da mescla de várias outras festividades, principalmente uma festa chinesa chamada Kikkouden [乞巧奠], o festival também é conhecido como o Festival das Estrelas.

O nome Tanabata é relacionado com a leitura das cartas chinesas, que costumavam ser chamadas de shichiseki [七夕]. Para tanto, nas cerimônias xintoístas de purificação, as miko [巫女] (mulheres que transmitiam as palavras dos deuses) vestiam sobre seus vestidos, um pano especial denominado tanabata [棚机], rezando para os deuses pela proteção das plantações de arroz, pela chuva e mais tarde, por uma boa colheita no outono.

Curiosamente, devido à influência da festa chinesa, escreve-se Shichiseki em chinês (七夕) e lê-se Tanabata em japonês (たなばた).

A lenda de Tanabata consiste na história de amor entre duas estrelas, Orihime (Vega) e Hikoboshi (Altair).

Há muito tempo, morava próximo do rio de estrelas, Amanogawa [天の川] (Via Láctea)  uma princesa chamada Orihime [織姫] (a Princesa Tecelã), a qual tecia belas roupas mas vivia triste por estar sempre ocupada, sem tempo para se apaixonar.

O seu pai, o imperador Tenkou [天工] (Senhor Celestial), ao ver a tristeza da filha, apresentou-lhe um belo rapaz chamado, Hikoboshi [彦星] (Pastor de Gado), acreditando ser ele o par ideal para sua filha. Os dois jovens se apaixonaram e a partir desse momento, ambas as vidas giravam apenas em torno do amor, deixando assim de lado seus afazeres e obrigações diárias.

Entristecido com a irresponsabilidade do casal, o Senhor Celestial decidiu separá-los, obrigando-os a morar em lados opostos da Via-Láctea. Permitiu que se encontrassem apenas uma vez por ano, no sétimo dia do sétimo mês do calendário lunar, desde que cumprissem as suas tarefas diárias. Assim, todos os anos, nesta data, a partir da foz da Via Láctea, um barqueiro da lua leva Orihime ao encontro do seu amado Hikoboshi. Contudo, caso a princesa não tenha feito o melhor da sua tarefa, o Senhor Celestial fazia com que chovesse, inundando o rio e impedindo que o barqueiro viesse buscá-la. Nestas ocasiões, os Kasasagi (grupo de aves) ajudavam a princesa a cruzar o rio, formando uma ponte de pássaros sobre a Via Láctea.

O Festival Tanabata celebra a melhoria da sabedoria e capacidades da pessoas. Tal como na China, os japoneses acrescentaram valores específicos para os desejos de Orihime aprimorar suas habilidades e trabalhar duro para que possa encontrar com Hikoboshi. Atualmente, os japoneses escrevem os seus desejos, geralmente para si próprio ou familiares, tais como: aumento do desempenho no trabalho ou nos estudos, sonhos e esperanças para o futuro. Os desejos escritos nas tiras de papéis coloridos chamados tanzaku [短冊] são pendurados em bambus, na esperança que os desejos se tornem realidades.

Referências
http://www.jishujinja.or.jp/tanabata/kazari/index.html
http://www.culturajaponesa.com.br/htm/tanabatamatsuri.html
http://www.tanabatank.co.jp/tanabata.php
http://www.ogasawara-ryu.gr.jp/lessons/reihou/YearlyEvent/tanabata/tanabata.html
http://www.sendaitanabata.com/


Use as estrelas abaixo para dar uma nota a este artigo:
1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas


Imprima uma versão mais simples deste artigo.
Gostou? Recomende este artigo por email. Gostou? Recomende este artigo por email.

3 comentários

jet horizontal

Pages: 1 2 Next

Pages: 1 2 Next