haikai

Hiroshima mon amour

150 150 Bruno Kaneoya

Todo o filme pode ser reduzido no princípio, na força do haicai imagético escrito por Resnais na tela: o amor flui sob as cinzas imune às vicissitudes do tempo, movimenta-se, encontra-se, dá-se, existe. Vivo, logo amo.

read more

O haikai, haicai ou haiku

150 150 Iochihiko Kaneoya

A forma de poesia haikai, ou haicai aportuguesado, haiku para os japoneses, de apenas 17 sílabas, é a composição de imagens que, como na linguagem cinematográfica, partem de um cenário geral para o particular, ou, como ensina Bashô, da “permanência” para a “transformação” ou “percepção momentânea” apenas sugerindo, mostrando de relance, cabendo ao leitor sua interpretação, “o que (interpretação do leitor) faz da imperfeição do haiku uma perfeição de arte”, como diz Yone Noguchi.

read more

Pequeno histórico da imigração japonesa no Brasil | Primeiros anos

150 150 Iochihiko Kaneoya

Mas nos primeiros anos de Brasil houve muitos atritos e conflitos com os novos imigrantes e os proprietários.

read more

O ideograma como linguagem

150 150 Iochihiko Kaneoya

O ideograma nos proporciona essa agudez imagética, no dizer de Eisenstein. É a imagem pictográfica que fala por si, e pela sutileza de sua concepção, nos mostra o dinamismo da emoção ali visível. É o significante que dispensa o significado e salta imediatamente para a significação, ou se funde à significação, desenhando a palavra que é ao mesmo tempo pintura e poema.

read more

A alma do povo japonês | Conseqüência na literatura

150 150 Iochihiko Kaneoya

A literatura japonesa adquiriu expressão com Murasaki Shikibu e Sei Shonagon por volta do ano 1000.

read more

A alma do povo japonês | Conseqüência nas artes

150 150 Iochihiko Kaneoya

O japonês se sente respeitoso, grato, íntimo, uno à natureza. Sente gratidão respeitosa quando a usa para si. Se destrói árvores costuma erigir um pequeno santuário no local em agradecimento. Como primitivos indígenas, vive em harmonia com o meio em que vive.

read more