Posts By :

Iochihiko Kaneoya

Mensagem ao povo japonês

150 150 Iochihiko Kaneoya

A Equipe Nipocultura consternada diante dos trágicos fatos que se abateram sobre o Japão, se solidariza na dor com seu povo e deseja profundamente que, uma vez mais, sua aguerrida…

read more

A SEMANA DA PAZ – II

150 150 Iochihiko Kaneoya

A SEMANA DA PAZ – II   O imigrante Kazumi Ogawa – II   Ogawa não quis mais permanecer em local de tão tristes lembranças. A outrora agradável Nagasaki dos…

read more

A SEMANA DA PAZ – I

150 150 Iochihiko Kaneoya

A SEMANA DA PAZ – I O Imigrante Kazumi Ogawa- I Nesta semana nos dias 6 e 9 de agosto, o mundo vai relembrar as bombas atômicas que foram lançadas sobre…

read more

O UNDO-KAI

150 150 Iochihiko Kaneoya

  O UNDO-KAI Os imigrantes japoneses trouxeram ao Brasil o costume da realização anual do Undo-kai, mais conhecido entre nós como Gincana poli-esportiva. A princípio era realizado em comemoração ao…

read more

Hinamatsuri (雛祭り) Festival de Bonecas – O Dia das Meninas

150 150 Iochihiko Kaneoya

O dia 03 de março é conhecido como Hinamatsuri (雛祭り). É uma festa típica japonesa. Tem como ritual a montagem de altares com panos vermelhos em degraus, chamados de hinadan,…

read more

Madadayo – Akira Kurosawa

150 150 Iochihiko Kaneoya

MADADAYO Diretor: Akira Kurosawa – 1993 Filme lírico, poético, de casto humor, porém, rico e denso ao mostrar valores do relacionamento professor-aluno, bastante acentuados na cultura japonesa. É a história…

read more

Akai Chouchin: a lanterna vermelha

150 150 Iochihiko Kaneoya

Akai Chouchin: a lanterna vermelha

read more

A Balada de Narayama

150 150 Iochihiko Kaneoya

Filme ganhador da Palma de Ouro em Cannes em 1983, foi considerado o melhor filme do ano.

read more

O haikai, haicai ou haiku

150 150 Iochihiko Kaneoya

A forma de poesia haikai, ou haicai aportuguesado, haiku para os japoneses, de apenas 17 sílabas, é a composição de imagens que, como na linguagem cinematográfica, partem de um cenário geral para o particular, ou, como ensina Bashô, da “permanência” para a “transformação” ou “percepção momentânea” apenas sugerindo, mostrando de relance, cabendo ao leitor sua interpretação, “o que (interpretação do leitor) faz da imperfeição do haiku uma perfeição de arte”, como diz Yone Noguchi.

read more

Fontes ideológicas das artes marciais japonesas

150 150 Iochihiko Kaneoya

O Japão sempre foi fiel aluno e profundo admirador da cultura da China e da Coréia. Importou da China o budismo, o confucionismo, as artes, a escrita, o sistema político, instrumentos musicais, usos e costumes. Os coreanos ensinaram a arte da fundição, da carpintaria e incentivados pelo príncipe Shotoku, a escrita chinesa kanji foi ensinada pelo mestre coreano Wang-I aos iletrados japoneses do século VI, como instrumento necessário para o aprendizado do budismo.

read more

100 anos de imigração | O imigrante e sensei de judô Sukeji Shibayama – III

150 150 Iochihiko Kaneoya

Agora pai, levei meus filhos para treinar judô na mesma academia.
Sensei me recebeu com alegria. Contou-me a história da academia desde que eu havia me ausentado. Enquanto as crianças treinavam, conversávamos. Quase sempre assuntos filosóficos, o de que mais gostava e a sua estreita relação com o judô.

read more

O Bushidô

150 150 Iochihiko Kaneoya

A concepção que o ocidente costuma atribuir ao Bushidô (literalmente, o caminho do guerreiro; no ocidente, livremente traduzido como código de honra do guerreiro samurai), é algo restrito apenas à conduta dos samurais.

read more